sexta-feira, 18 de junho de 2010

Morre um dos Mais Célebres Escritores
da Literatura Mundial

José Saramago

Prêmio Nobel de Literatura José Saramago morreu por volta das 8h (horário de Brasília) desta sexta-feira (18) aos 87 anos em sua residência em Lanzarota, nas Ilhas Canárias, após tomar seu café da manhã ao lado da mulher, a tradutora Pilar del Río.

A Fundação José Saramago informou em comunicado que o escritor morreu "em consequência de uma múltipla falha orgânica, após uma prolongada doença". "Ele se despediu de uma forma serena e tranquila", diz o anúncio.

Saramago sofria graves problemas respiratórios. Nos últimos anos, o escritor foi hospitalizado várias vezes, após sofrer uma grave pneumonia no final de 2007 e início de 2008.

O estilo de Saramago era único na literatura contemporânea. Era conhecido por utilizar frases e períodos longos usando a pontuação de uma maneira não-convencional (aparentemente errada aos olhos da maioria). Em suas obras, os diálogos das personagens são inseridos nos próprios parágrafos que os antecedem, a ponto de o leitor confundir se o diálogo foi real ou apenas um pensamento.

Em alguns momentos, chegou a ser comparado com outro ganhador do Nobel de Literatura o colombiano Gabriel García Márquez, pois alguns viram em Saramago uma pitada do realismo mágico latino-americano, particularmente na estratégia de mesclar personagens fictícios e históricos.

A carreira de Saramago foi marcada por polêmicas. Suas opiniões pessoais sobre religião e o esforço internacional contra o terrorismo foram rebatidas no mundo. O Vaticano chegou a repudiar a atribuição da honraria de Prêmio Nobel a "um comunista inveterado". A obra O Evangelho Segundo Jesus Cristo (1991) foi motivo de crítica ferrenha por parte de grupos religiosos que a consideram uma ofensa à Igreja.

Vão-se as polêmicas, fica a obra. Seus trabalhos já foram traduzidos para mais de 20 idiomas. Entre os livros de Saramago estão "O Evangelho Segundo Jesus Cristo", "Ensaio sobre a Cegueira" e "A Jangada de Pedra". Sua última obra é "Caim", publicado em 2009.

O crítico Harold Bloom qualificou-o como "o escritor de romances mais dotado de talento dos que seguem com vida, um dos últimos titãs de um gênero em vias de extinção".

Fonte: Gazeta do Povo On Line de 18/06/10

Um comentário:

Pitango disse...

Uma grande perda, mas uma obra eternizada!