segunda-feira, 14 de abril de 2008

Socorro
Alice Ruiz

"Socorro, eu não estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir

Socorro, alguma alma, mesmo que penada
Me empreste suas penas
Já não sinto amor nem dor
Já não sinto nada

Socorro, alguém me dê um coração
Que esse já não bate nem apanha
Por favor, uma emoção pequena
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos
ter algum que sirva

Socorro, alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento
Acostamento, encruzilhada
Socorro, eu já não sinto nada
Nada, nada..."

2 comentários:

Pitango disse...

Essa música é desesperadamente bonita. Não há como não se identificar com ela em alguns momentos...

Abraço!
Pitango

http://lenfantdeboheme.blogspot.com/

Anônimo disse...

Franz Kafka...sabe lendo o texto aqui, tava lembrando dos Jornais da Folha de SP que tenho o hábito de guardar, em um deles tem uma entrevista Michel Schneider, sobre o lançamento de seu livro ( Mortes Imaginárias ), que fala sobre o fim das palavras, ou seja, quando essas são ditas por alguém antes de morrer e como ele diz na entrevista: A morte é o acontecimento por excelência, + ela ñ acontece sem ser dita.
É ao ler o texto lembrei de um trecho que ele cita o filósofo Kant, em que segundo ele, Kant ñ queria ter afetos, paixões, inconsciente. E, foi alcançado por esses fantasmas no momento de sua morte, ñ sei se tem algo á ver com o texto + me pareçe ter um nexo noke escrevi aqui.
Essa " falta de todos esses sentimentos, ou quem sabe nosso medo deles ".
Até + ...continuando